Jogos Dramáticos em Sociodrama

Jogos Dramáticos

A partir de módulo de Miguel Vasconcelos e Maria João Brito  em lisboa, 8 de março 2014

Jogos de Apresentação:

  • Escolher uma fruta para cada um se apresentar.
  • Escolher um animal.
  • Jogo da corda: cada um faz um desenho com uma corda no chão para se apresentar.
  • Desenho no papel de cenário~

Jogos de Reconhecimento

  • Fazer um auto reconhecimento do corpo.
  • Deitar no chão num colchão.
  • Jogo da semente
  • Cada um é uma semente, uma semente que nasce na terra para se transformar uma estátua.
  • Deste jogo pode-se construir uma representação coletiva

Teoria do Jogo no Psicodrama

A teoria do jogo explora o ritmo de reconhecimento. Um sujeito em situação de lazer, de relaxamento é mais acessível ao si mesmo. Propor um sujeito relaxado é catalisar a exploração das emoções. Cada sujeito, em tensão estimula a conserva cultura e as atitudes de defesa, ao passo que em relaxamento favorece a expansão do eu. A teoria do jogo p+remite explorar as diferentes tensões presentes nos indivíduos. O jogo é um instrumento útil para aumentar e baixar a tensão. Favorecer a emergência dos papéis.

Os processos de aprendizagens nos mamíferos superiores são feitos através dos jogos. Quanto mais lento é o crescimento do mamífero, mais longa é a aprendizagem e mais tempo é usado o jogo. O campo relaxado favorece a exploração, o campo tenso favorece a adequação do papel.

Características do Jogo no Psicodrama

  1. O jogo dramático é de adesão voluntária. Tem que haver um acordo prévio para que cada um participe e existe a liberdade de a todo o momento sair.
  1. O jogo tem regras: a regra depende do diretor. Tem que ser seguida. Pode ser transformada. Mas quando a regra é quebrada acaba o jogo. O grupo autorregula-se no processo do jogo;
  1. O jogo tem um espaço de dramatização: há um contexto e um palco onde a ação se concretiza. A existência dum estrado (palco) ajuda a mudar de contexto. Entrar e sair de palco. O estrado ideal deverá ter 3 por 2, segundo Pio de Abreu. O contexto é fundamental para situar a ação;
  1. O jogo tem um tempo dramático. O diretor usa o tempo dramático (aumenta ou encurta) conforme as necessidades narrativas e de reconhecimento. O diretor pode aumentar a tensão ou acalmar as tensões conforme a narrativa. Por a´gua na fervura ou atiçar o lume. Por exemplo, para a integração dum novo membro é útil criar o jogo do círculo. Cada um fala do que sabe sobre o outro;
  1. O jogo dramático é um contexto imaginado. Trata-se de criar um espaço lúdico com o objetivo de :
  1. medir a tele
  1. crirar esponteiniedade
  1. aumentar a capacidade de inovação
  1. o jogo dramático é adequado à formação da matriz de identidade. A passagem pelo grupo de dramatização é um processo de crescimento. O jogo ajuda a adequar os comportamentos ao mundo;
  1. num primeiro momento explora as sensações;
  1. num segundo momento, explora a comunicação, estimulando os jogos de interação.
  1. Num terceiro momento permite explorar os vários papeis. O treino de papel é uma das funções do psicodrama. Fazer uma personagem e treina-la através dos grupos. O processo grupal é um processo de crescimento que tem em média dois anos.

Como escolher os tema para fazer jogos:

Há uma multiplicidade de soluções: Usar o cinema, recortes de jornal, ler três ou quatro notícias para medir o emergente grupal. O grupo escolhe o que quer através da sociometria. A utilização de histórias de vida pode ser um emergente para o grupo. Ver a adequabilidade das histórias de vida às narrativas biográficas.

Sugestões para uso de temas. Na primeira sessão sugere-se fazer o atmo social. Criar as personagens de cada um ajuda a conhecer e contextualizar o outro. Podem ser usados vários recursos, como per exemplo fazer a estátua do outro.

O jogo, enquanto treino de papel, é um processo de crescimento humano. Trabalhar com jogos implica trabalhar o lúdico. Trabalhar o lúdico é trabalhar o desenvolvimento dos papéis. Pode-se trabalhar a inversão de papeis, a complementaridade. A dramatização ajuda a desenvolver os papeis por colocar em contexto o “como se”. Para isso é necee´srio que a pessoa sinta que está num determinado contexto. Que possa entrar e sair livremente. Possa experimentar.

Para Soeiro a ordem do Psicodrama é.

  • Protagonista,
  • Grupo
  • Cenário
  • Ego-auxiliar
  • Diretor

Jogos de comunicação e interação

Usam-se para estimular a interação entre os membros do grupo.

Usar os ritmos da música para fazer o grupo repetir. Passar o movimento para outro. (ver o work shop da Claire)

Jogo do pauzinho.

Com um pauzinho seguir o movimento do outro. Repetir o jogo com, um protagonista com os olhos vendados. Ajuda a encontrar os equilíbrios.

Jogos de confiança:

Salto para a frente e para trás, estar pendurado

Formar uma linha com os olhos vendados.

Jogo da cadeira. (pensar fora da caixa, onde o objetivo é, sem colocar os pés no chão, criar uma linha com as cadeiras dispersa na sala.

Jogos de Coesão

Jogos de entrar e sair da roda, Entrar e sair do círculo.

Nos jogos é fundamental fazer um bom aquecimento. O aquecimento é o que faz o papel emergir. Um bom aquecimento revela a emoção. O psicodrama trabalha sobre a emoção.

Jogos de cartas Dixtie

É um jogo que é usado para criar um emergente grupal. O grupo cria um símbolo que adota. Por exemplo, a vida, o voo do pássaro. È um jogo que é indicado para trabalhar no aquecimento, para trabalhar com adolescentes (porque o adolescente cria mais facilmente vínculos com objetos simbólicos, do que com objetos verbais)

Jogos de Personagem 

São jogos da 3º fase, para trabalhar as relações do grupo. Passada a fase o aquecimento, e dos jogos de comunicação, é necessário criar jogos para criar e experimentar personagens. Os grupos, consoante a sua dimensão tendam a auto-organizar-se assumindo cada membro diferentes funções. Ainda que possam existir tensões entre os papeis, o grupo tende a encontrar uma estabilidade desde que tenha bem estabelecido os pontos de fuga (regras). Os jogos segum o processo da matriz de identidade  (eu, eu com os outros, eu e o grupo).~

Jogo do Pau – A monge budista

Com um pau, o monge budista pede ao aprendiz que responda a uma questão. Se acertar, se errar ou não responder, leva com o sabre. A solução é saída da situação, através da fuga ou de agarrar o pau. A resposta para o paradoxo está na criatividade.

Jogo da Cadeira.

Jogo do rato e do gato- Um gato, com os olhos vendados, tenta encontrar o rato pelo som.

A agressividade simbólica pode ser usada atrvés do copo de água. A violência em psicodrama é sempre simbólica.

É importante definir as regras do jogo. O humano continua a jogar até à idade adulta. É através do jogo que se consegue adaptar à mudança das regras.

Materiais para usar na procura dsa mudanças. Escrever uma carta. Método de Jakov1

Jogos Dramáticos

Regina Fourneaut Monteiro (1994). São Paulo, Editóra Ágora

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s