MPB – MANSÃO POPULAR BRASILEIRA E O REPÓRTER CHICO PINHEIRO

Gol Para o Planeta

O dia 21 de outubro será um daqueles dias inesquecíveis.  O Bar Lagoa, Rio de Janeiro, acolheu um encontro que será narrado no futuro como dia memorial. O repórter Chico Pinheiro recebeu meus convidados para formar mais um Fio Sustentável.

20151020_165106 (2)

A teoria dos Fios Sustentáveis (Fios) é a capacidade de fazer pontes que levam à travessias. Os visitantes eram os artistas que compõem o movimento denominado como MPB – Mansão Popular Brasileira. A Mansão se destacou no cenário carioca e brasileiro nos últimos meses porque 20 artistas-músicos de excelente qualidade se uniram para fazer e viver música de forma solidária, cooperativa e sem competição. Tudo dentro e fora de uma Mansão.

20151020_152321

Planejei esse encontro por quase quatro meses. Entretanto, em função da agenda de Chico Pinheiro, só agora foi possível realiza-lo. Valeu apena esperar, o encontro foi memorável. Na primeira parte, os artistas compartilharam como chegaram à música, quais foram…

Ver o post original 221 mais palavras

Interrogações em Sines

Raquel Varela

A PSA-Sines, que gere de forma privada, com dinheiros públicos, o terminal de contentores, ocupando um espaço público da nossa costa, vai despedir mais de 50 trabalhadores. Sendo nós cidadãos deste país há como saber se receberam subvenções directas ou indirectas da Segurança Social, pagas portanto por todos nós, para contratar estes trabalhadores? Foram a 70% ou em estágios pagos pelo Estado? Isenções fiscais à empresa? Lay offs pagos pelo Estado? Formação profissional sustentada pela Segurança Social? Subsídio ao transporte ferroviário de contentores? Isenção de derrama? Devolução da TSU? Uma vez que os despediram vão devolver-nos o dinheiro? Ou ficou tudo – digamos, o nosso dinheiro de impostos e contribuições sociais, para os «resultados positivos da empresa, sinal de forte recuperação da economia do país, a sair da crise»? E a vida destas 55 pessoas e suas famílias? É a humilhar-se daqui para a frente num assistente social e…

Ver o post original 133 mais palavras

Toda a educação para todos

Raquel Varela

A duas mais importantes conquistas sociais da revolução dos cravos na educação foram a gestão democrática das escolas e o ensino unificado, que correspondia genericamente aquilo que Marx designava como a politecnia, um ensino em que todos até uma determinada idade têm acesso a um conhecimento que inclui trabalho intelectual, manual, artístico, etc. que permite fazer do homem homem e não simples e só força de trabalho executora de uma tarefa numa cada vez maior divisão do trabalho. Isto processou-se dentro e fora das escolas, no ensino oficial e em bairros de barracas, onde a luta pela casa não impediu, pelo contrário, motivou, a luta pelo direito ao teatro, por exemplo. Se época houve em Portugal onde «nada de humano foi estanho aos humanos» foi em 1974-1975. Sobre isto falarei no NIEP-Marx na Universidade Federal Fluminense no dia 26 de Outubro.
A quem estiver por perto são bem vindos

Ver o post original

Números não bastam: pesquisadoras falam sobre determinantes intangíveis da saúde

Saúde Global

Informe ENSP – Basta um conceito e cria-se um novo mundo. Do contrário, não haveria tanta energia investida em pensamento e tanta, também, para se tentar obstruí-lo. O nascimento de uma ciência é o oposto do que sabemos sobre a morte das estrelas. Enquanto estas podem exibir brilho cuja origem se extinguiu faz muitos anos, aquela, quando assoma à superfície, é erupção de movimentos tramados em silêncio. Tanto mais quando falamos da epidemiologia, seus micro-organismos e mapeamentos. São os números, dirão os apressados, são os números que dão concretude, peso, vida, movem montanhas de dinheiro público e trabalhos científicos. Mas será que eles nos bastam? Será que algo não nos escapa à ponta do lápis? É preciso auscultar o silêncio, do contrário seremos eco e claque de verdades obsoletas. É para esse silêncio que as pesquisadoras da ENSP Fátima Pivetta e Lenira Zancan voltam seus ouvidos no trabalho Morar em Favela…

Ver o post original 925 mais palavras

Nobel de Medicina: Un Nobel justo, acertado y muy oportuno

Saúde Global

El Mundo – por Quique Bassat, investigador del Instituto de Salud Global de Barcelona (ISGlobal)

La salud global está de enhorabuena porque por primera vez en muchos años, la academia sueca ha premiado con el premio Nobel de medicina la labor de tres gigantes que han trabajado (y siguen haciéndolo) por mejorar el tratamiento de varias enfermedades infecciosas que afectan a algunos de los países más pobres del mundo.

La investigación de Youyou Tu, William C. Campbell y Satoshi mura, fundamental para el desarrollo de nuevos tratamientos como las artemisininas o la ivermectina para enfermedades tan dispares como la malaria, la filariasis linfática, o la oncocercosis, ha recibido por fin el reconocimiento merecido. El trabajo de estos investigadores en las últimas décadas ha permitido el descubrimiento y desarrollo de fármacos para la lucha contra enfermedades relacionadas con la pobreza, y a menudo injustamente olvidadas por los países más…

Ver o post original 254 mais palavras

What do Stories Do? Interview with Lane Beckes

Museum Questions

A few weeks ago I shared a post questioning whether storytelling was an appropriate or useful format for museums exhibitions. This post received a number of comments, including people suggesting that stories evoke emotions, and that emotions are important for learning.

In order to better understand how stories work, I interviewed Lane Beckes, Assistant Professor of Cognitive and Affective Neuroscience at Bradley University. Lane studies social processes at the intersection of cognition, emotion, and neurobiology. His research interests include social bonding, empathy, emotion, and prosocial behavior.

lane cropped

Lane, what can you tell us about how stories work?

I think there are three primary psychological concerns you want to think about when considering what you want your attendees to get out exhibits and in particular the narratives embedded in exhibits. The first is attention. When someone walks in the door of your museum you need that person to first and foremost…

Ver o post original 1.659 mais palavras

O estatuto jurídico das águas no Brasil, de Fernando Aith e Renata Rothbarth

Saúde Global

Revista Estudos Avançados, vol.29 no.84 2015 – Para construir o desenho do Estatuto Jurídico das Águas no Brasil, foram pesquisadas e analisadas as normas jurídicas internacionais e nacionais que tratam direta ou indiretamente das águas, com enfoque na identificação, nessas normas, dos seguintes elementos: i) grau de reconhecimento jurídico formal da água como um direito humano fundamental no Brasil e no direito internacional; ii) regime constitucional das águas no Brasil; iii) natureza jurídica das águas no direito interno e; iv) garantias jurídicas para a proteção do direito à água. A pesquisa, qualitativa, foi realizada nas páginas oficiais do governo brasileiro e da Organização das Nações Unidas, e as normas selecionadas e analisadas foram aquelas vigentes e que apresentam conteúdo relevante para a construção teórica do Estado Jurídico das Águas.

Ver o post original

Fronteiras V – propósito

Global Heritage - Local Memories

Enfrentamos como seres humanos no planeta um desafio global sem precedentes. Nós todos, criamos uma riqueza e bem-estar que nos retirou do flagelo da fome, do frio e da doença. Mas essa riqueza e bem-estar, não só tem até aqui estado reservado a uma parte da humanidade – os mais ricos; como nos conduziu a um profunda crise planetária.

Temos várias evidências, empíricas e científicas, que nos indicam que a atividade humana esta a alterar profundamente o nosso planeta. Estamos na fronteira e exploramos os limites da nossa sobrevivência.

Nos próximos postais vamos reflectir sobre estes limites e sobre os modos como podemos transforma-los a nosso favor

Ver o post original