O Padeiro e o Banqueiro

Raquel Varela

O dono da padaria portuguesa diz que vive em concorrência, não pode pagar muito mais do que o salário mínimo, e quer os trabalhadores disponíveis a qualquer hora para ele, se não a empresa fecha e os trabalhadores perdem o emprego. O dono da padaria portuguesa tem que pagar o lucro do proprietário de terra que faz trigo; o lucro da empresa de transportes que o transporta para a cidade; o lucro da Galp onde a empresa mete gasóleo; o lucro da EDP; o lucro da Bosh que lhe vendeu o forno e os frigoríficos; o lucro dos accionistas bancários que vivem da dívida pública via impostos ao Estado que paga o dono da Padaria; o lucro do banqueiro que lhe emprestou dinheiro. Cansados? Ele ainda tem que pagar pelo menos o lucro a mais 100 empresas (fruta, leite, sumos, vidros, janelas, pinturas, alumínio, limpeza…). E todo este lucro vem…

Ver o post original 287 mais palavras

Anúncios

A “possibilidade” de umas ciências sociais “úteis”

Blogue ATS

Autor: Simone Tulumello

Este texto é uma resposta ao estimulante post de Andy Inch, no qual ele questiona a “utilidade” das ciências sociais. A minha intenção é sugerir uma possível pista para essa utilidade – uma utilidade, diga-se desde já, radicalmente oposta às dinâmicas da academia criticadas por Andy. Para tal, vou partilhar algumas reflexões sobre os conceitos de “probabilidade” e de “possibilidade”, e sobre o seu significado em relação à construção do futuro – reflexões que provêm, embora de forma bastante livre, do meu interesse sobre o desenvolvimento (e “subdesenvolvimento”) do Mezzogiorno de Itália.

possibilidade_imagem “Por aí é o caminho”. Autor: Simone Tulumello (2012).

Ver o post original 1.083 mais palavras

Mary Jonh

Maria Contarolante

Ana Pessoa escreveu e Bernardo Carvalho ilustrou.

Um romance juvenil em forma de carta,  ora de amor ora de reclamação, que se atreve a explorar temas vistos como tabu, como o da sedução amorosa e da sexualidade, sem nunca ser nem vulgar nem moralista. É uma história de amor sincera e descomplexada.

Ler este livro foi para mim como voltar atrás no tempo, mergulhar de cabeça na minha adolescência e reviver os meus amores e desamores com a distância de quem já sabe que vai ficar tudo bem. Soube-me muito bem. Para os adolescentes de hoje acredito que será uma boa oportunidade para, como a protagonista, organizar pensamentos e emoções, adquirir uma maior auto-consciência e a clareza necessária para percorrer o seu caminho e viver as suas escolhas.

Recomendado para leitores maiores de 14 anos.

Eis um excerto:

O sangue todo na cabeça.

 Tu estás mesmo à minha frente, o…

Ver o post original 203 mais palavras

Does donor proliferation in development aid for health affect health service delivery and population health? Cross-country regression analysis from 1995 to 2010

Saúde Global

Health Policy and Planning – Sarah Wood Pallas and Jennifer Prah Ruger – Department of Health Policy and Management, Yale School of Public Health, New Haven, CT, USA

Abstract

Background: Previous literature suggests that increasing numbers of development aid donors can reduce aid effectiveness but this has not been tested in the health sector, which has experienced substantial recent growth in aid volume and number of donors.

Methods: Based on annual data for 1995–2010 on 139 low- and middle-income countries that received health sector aid from donors reporting to the OECD’s Creditor Reporting System, the study used two-step system generalized method of moments regression models to test whether the number of health aid donors and an index of health aid donor fragmentation affect health services (measured by DTP3 immunization rate) or health outcomes (measured by infant mortality rate) for three subsectors of health aid.

Results: For total health aid and…

Ver o post original 190 mais palavras