Estivadores: direitos conquistados

Raquel Varela

Não conheço os termos do acordo assinado ontem entre os estivadores e as empresas privadas que trabalham no porto. Não me pronuncio sobre ele e o que representa até o ler e, o mais importante , reflectir sobre ele. Mas estou pasmada com a quantidade de pessoas que aqui dá os parabéns ao A. Costa que, cito, dizem “conseguiu o acordo”. Risível. O que quer que tenha sido conseguido ou não ontem foi-o pelo estivadores e pelo seu sindicato democrático e combativo que, com pressão brutal, salários em atraso, debates frontais se mantiveram unidos em torno de um objectivo claro -impedir a entrada de trabalho precário no porto. E todos aqueles, amigos, família, grupos sociais de apoio, indivíduos que em plenários, piquetes, reuniões intermináveis, noites sem dormir, discussões, resistência emocional, contactos, redes de solidariedade, assessoria a textos, vídeos, grafismo, imprensa, assessoria jurídica, lutaram nestes dias. António Costa denegriu os…

Ver o post original 154 mais palavras

Anúncios

Poligamina no Poder

Raquel Varela

Não gostamos, a maioria de nós, de ser confrontados com o lado mais sombrio da miséria humana – isso inclui o que fazemos e o que não fazemos. A submissão geral social é a marca, sempre protegidos pela noção ampla e protectora de medo. Ora medo e cobardia são dois fenómenos muito distintos. Esta semana num jantar com um amigo com um sentido de humor e inteligência raras ele dizia que há casais que são muito felizes porque mesmo ao final de 40 anos não conhecem a pessoa com quem estão casados. O caso do Governo português actual é mais ou menos assim.
 
O Governo promete cumprir a desvalorização do factor trabalho para remunerar capitais, imposta pela Comissão Europeia. A Comissão é dominada pelo Partido Popular Europeu, o mesmo de Passos Coelho. Na Comissão, que determina o essencial da política portuguesa, há 20 conservadores e liberais para 8 social-democratas…

Ver o post original 378 mais palavras

Áudio 110 – Afrodescendentes no Sistema Educativo Português

“O que nos dizem as estatísticas oficiais sobre a situação dos afrodescendentes no sistema educativo português, do 1º ciclo ao ensino superior? Qual o papel do racismo institucional nas desigualdades evidentes?”

A investigadora Cristina Roldão (CIES-IUL) apresentou em Abril resultados do seu trabalho “Afrodescendentes no Sistema Educativo Português”. Hoje vamos ouvi-la falar sobre o processo de investigação e os resultados.

Ver o post original

Pesquisadora comenta Plano Temer: sem saúde e educação e arrocho nas aposentadorias

Saúde Global

ENSP – O documento Uma ponte para o futuro, norteador de um eventual governo Michel Temer, caso se dê o impeachment da presidente Dilma Rousseff, está gerando muitas discussões e temor. Incitada por esses sentimentos, a pesquisadora do Núcleo de Estudos Político-Sociais em Saúde, do Departamento de Administração e Planejamento e Saúde da ENSP (Nupes/Daps) Lígia Giovanella comentou a proposta e apontou as consequências desse plano que vê na redução dos já insuficientes gastos sociais a “solução” para enfrentar a crise econômica. A análise de Lígia, publicada pelo Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE), alerta para o sucateamento das políticas sociais.
Ligia Giovanella
O que é preciso saber sobre o Programa de Temer, denominado Uma ponte para o futuro, divulgado em outubro de 2015, mas cujo melhor título seria Sem saúde nem educação e arrocho nas aposentadorias ou Declaração de crença incondicional nas virtudes do mercado.
Utilizando termos…

Ver o post original 447 mais palavras

Papa recebe Letícia Sabatella e a juíza Kenarik B.Felippe para falar de golpe no Brasil

Leonardo Boff

Papa recebe Letícia Sabatella e a juíza Kenarik B.Felippe para falar de golpe no Brasil

São Paulo, 10 de Maio de 2016 às 11:05
No encontro, foi entregue uma carta do advogado Marcelo Lavenere - Créditos: Reprodução
No encontro, foi entregue uma carta do advogado Marcelo Lavenere / Reprodução

O Papa Francisco se reuniu nesta segunda-feira (9) com a atriz Letícia Sabatella e a juíza Kenarik Boujikian Felippe, do Tribunal de Justiça paulista, para tratar da crise política brasileira. Letícia e Kenarik têm se posicionado contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, classificado como golpe.

“Ele nos ouviu atentamente, nos disse que irá orar pelo povo brasileiro, que se preocupa com o Brasil. E perguntando a ele sobre a postura de diálogo necessário sobre o nosso ponto de vista, ele reiterou que o diálogo é uma necessidade para a construção de um mundo melhor para todos”, afirmou a magistrada em entrevista à Rádio França Internacional (RFI). Segundo a Kenarik – que é co-fundadora…

Ver o post original 254 mais palavras

Os transportes publicos já são privados

Raquel Varela

Nem TAP, nem Metro, nem Carris, nem CP, nem portos. O Governo, em funções, não reverteu a privatização da TAP, que está a ser usada como plataforma giratória de dívida bancária; está a desmantelar internamente a Carris e o Metro com mudanças estruturais na organização e na deslocalização de trabalhadores; mantém a lei dos portos que permite a concessão privada e o dumping laboral; a CP contínua com a espada na garganta de mais de 80% de receitas para juros bancários. Entretanto garantiu a paz social – o meu doce bizavô César, que viveu 93 anos, tempo para saber com o que se iludir, chamava a estes momentos «estão a dar-me música». Enquanto não tivermos uma política geral de transportes públicos cuja função é transportar pessoas e mercadorias e tivermos uma política de transportes públicos que é de facto um negócio de rendas fixas – na Banca para o…

Ver o post original 115 mais palavras

A revogação da lei como serviço mínimo

Raquel Varela

O governo decretou como serviços mínimos que os estivadores têm que descarregar cereais para os porcos comerem, se a greve fosse derrotada e os estivadores passassem a ganhar 600 euros os produtores de porcos, já em crise, vão vender ainda menos porque as pessoas não têm dinheiro para comprar carne nem para viver. O salário mínimo não permite pagar o mínimo para habitação, roupa, alimentação e transportes. Apesar de trabalharem 80 horas por semana desde janeiro os estivadores estão com os salários em atraso – sobre isso o governo não faz o mínimo. É incompreensível que isto seja permitido – salários em atraso com empresas a tornarem públicos lucros de 6 a 10%. Na verdade o governo disse ” os porcos têm que comer, os estivadores não”. Sobre os serviços mínimos cabe-me dizer o seguinte: tirando doentes urgentes e casos de vida , tudo o resto não são serviços minímos…

Ver o post original 257 mais palavras

Discussions Continue On How To Govern WHO Interactions With Outside Actors

Saúde Global

IP-Watch – The World Health Organization interacts with a large number of actors aside from governments, such as industry, philanthropic organisations, academia, and civil society. With an eye to preventing undue influence on the work of the organisation, member states have been trying to finalise a draft framework on WHO interaction with those actors. This week, what was seen as a last effort at reaching a consensual text did not quite meet the goal and some additional informal discussions are expected to take place before the annual World Health Assembly in late May.

Ver o post original 1.522 mais palavras