Imposto da Geringonça, ele move-se

Raquel Varela

O Governo anunciou um pacote de medidas de combate aos acidentes rodoviários que inclui obrigar as pessoas com mais de 65 anos a novos exames, certificados, registos e outros documentos que implicam sempre o pagamento de taxas. Como a maioria absoluta e relativa dos acidentes são com jovens e não com idosos tal medida não é mais do que imposto sobre pensões e reformas. Na minha rua – empedrada, onde tenho o privilégio de ter uma placa a dizer “limite de 30”, uma excentricidade holandesa a poucos km do centro de Lisboa – às 7 e 40 da manhã passam dezenas de carros a 60 km/h e 80 km/h de jovens atrasados para ir para o trabalho. Moram aqui dezenas de crianças, que a essa hora também vão para a escola, perante a indiferença dos adultos que aceleram. Em Belém, para não incomodar turistas, há um radar com limite…

Ver o post original 178 mais palavras

Anúncios

Contra a especulação turístico-comercial do património histórico anunciada pelo governo

L´obéissance est morte

O anúncio feito a semana passada pelo governo dando conta da sua pretensão de concessionar à exploração privada trinta imóveis históricos de excepcional valor patrimonial suscita inúmeras questões. Para lá daquela já aqui levantada (por se tratar de um ‘governo de esquerda’) sobre a recuperação do património, não para devolvê-lo à colectividade, mas para entregá-lo à fruição de uma elite endinheirada em busca de ambientes prestigiantes e diferenciadores para as suas evasões, há pelo menos uma outra que (não estando propriamente desligada da anterior) não me parece menos relevante: a da legitimidade desta política ‘cultural’ de privilegiar a mercantilização do património. Aquilo que parece hoje óbvio ao senso comum merece, do meu ponto de vista, ser questionado. Por que diabo tem de se rentabilizar o património?

O conceito de património não foi inventado por esta época, mas foi sem dúvida esta época que inventou a ideia, hoje praticamente inquestionável, de…

Ver o post original 667 mais palavras

Political Science in Global Health

Saúde Global

rascunhoGlobal Health Governance – Special Issue

Special Guest Editor: Eduardo J. Gómez, King’s College London

Over the past two decades, the study of the politics of global health has become an increasingly popular and important scholarly topic. A host of social scientists, public health researchers, medical scientists and historians have taken an interest in exploring the international and domestic political aspects of healthcare reform, ranging from government and civil societal responses to disease, to issues of health insurance coverage, health systems strengthening, and inequality in social services provision. There has also been a shift from a focus on healthcare issues in the advanced industrialized nations, such as the United States and Western Europe, to the developing world and more recently, select emerging economies, such as the BRICS (Brazil, Russia, India, China and South Africa).

A less well known – though increasingly important – area of scholarly research examines the role that the…

Ver o post original 140 mais palavras