Psicodrama / Sociodrama Público

Elaborado a partir da sessão com Teixeira de Sousa em 24 de Outubro 2014, no ISPA em Lisboa.

A sessão, organizada pelo António Gonzalez realizou-se num ambiente controlado. Criado por Moreno como um momento único, realizado em apenas uma sessão, o psicodrama público procura o momento criativo. Pelas suas características acaba por ser um trabalho sociodramático, pois na maioria dos casos são levantadas questões das relações com os outros.

O Psicodrama Público tem como elemento central a questão da vivência do momento. Em relação ao processo psicodramático em ambiente controlado (em sessão psicoterapeuta ou em grupo sociodramático) o psicodrama público apresenta dificuldades de aquecimento em virtude da presença do grupo. A dificuldade no aquecimento leva a que a escolha dos protagonistas seja mais lenta. há também a registar que parte da audiência se mantém como observadora.

Uma outra dificuldade prense-se com a necessidade de fazer com que o grupo estabeleça as suas regras. Cada grupo estabelece as suas regras e tem que as seguir ou modificar através de consensos ou compromissos.

A génese do psicodrama público encontra-se nos trabalhos feitos por Moreno no teatro em Viena, quando ele observa que a sus protagonista Barbara, desenvolve com maior aderência o seu papel, quando representa os seus próprios problemas.  Essa situação levou a que Moreno procurasse estabelecer a ligação entre os papeis do eu e os papeis complementares. Sobre esta veja-se o trabalho de Pablo Valcarce . Quando se encontra um emergente, procurar criar papeis complementares favorece a dinâmica do grupo.

A escolah do protagonista deve ser feita através do método sociodramático. O caminho a seguir é:

  • identificar o problema.
  • colocar um teste sociométrico para verificar adesão
  • decidir o tema a trabalhar a escolher os papeis

Deve ser colocado à assistência a escolha de quem quer ser protagonista. quem mais vai beneficiar com o processo são aqueles que oferecem resistência.

Há três modos de encontrar o protagonista em sociodrama público.

  • o falso protagonista (são pessoas que procuram representar papeis que não são. devem ser identificados e excluídos pelo diretor)
  • deixar o grupo escolher o que vai ser o protagonista.
  • deixar o auditórios escolher o protagonista. É o processo mais comum de escolha.

Encontrado o protagonista a dramatização desenvolve-se de acordo coma as técnicas e os momentos sociodrmáticos. Há que ter em atenção a emergência de tensões entre os protagonistas, identificar e procurar trabalhar individualmente, caso seja necessário, num momento posterior. os indivíduos devem ser protegidos no seu eu durante o psicodrama público. a exposição não deve ser feita fora do contexto psicodramático. No final debate-se os resultados.

 

 

Anúncios

Um comentário sobre “Psicodrama / Sociodrama Público

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s