A inteligência sob ataque (A Tarde, 24/11/2017)

Raquel Varela

No Brasil exposições, palestras, conferências têm sido atacadas por bandos de extrema-direita. Vale a pena ler o artigo em baixo.
 
«A inteligência sob ataque (A Tarde, 24/11/2017)
Carlos Zacarias de Sena Júnior, historiador
 
Os casos se sucedem e acendem o sinal amarelo para todos os setores democráticos e progressistas no Brasil. Na UERJ, uma palestra sobre o centenário da Revolução Russa foi invadida por um minúsculo e barulhento grupo de extrema-direita, que dirigiu impropérios à professora e inviabilizou a atividade. Em Porto Alegre e São Paulo, exposições artísticas em museus foram violentamente atacadas nas redes sociais e seus curadores e artistas ameaçados, acusados de estimularem a pedofilia e a zoofilia. Há duas semanas, a filósofa norte-americana Judith Butler, um dos nomes mais importantes da academia nos estudos de gênero, foi vítima de uma série de ataques por ocasião de sua participação no colóquio “Os fins da democracia”, organizado…

Ver o post original 361 mais palavras

Anúncios

O milagre dos transvases num mundo à beira da catástrofe hídrica

Blogue ATS

Por José Gomes Ferreira

Assiste-se em várias geografias ao alastrar da crise hídrica a uma escala sem precedentes, agravada pela rapidez das alterações climáticas em curso, que intensificam as ameaças à disponibilidade de recursos hídricos, mas também pela crescente procura de água resultante do crescimento da população mundial, pelo aumento do consumo per capita e pela expansão da agricultura de regadio, como mostram os dados da FAO e a publicação Global Water Outlook to 2025. O problema pode acentuar disputas pelo recurso e por territórios que o possuem, intensificadas face à desigual distribuição geográfica e social da água, e à tensão entre o entendimento da água como bem comum e direito humano, tal como classificado pelas Nações Unidas em 2010, e a pressão pela sua mercantilização, de que nos fala Pedro Arrojo Agudo.

Para garantir o armazenamento, transporte e fornecimento de água têm sido colocadas em prática, por…

Ver o post original 1.292 mais palavras

O conceito de «escola sem muros»

Portal Anarquista

escola

O conceito de «escola sem muros» parte de uma tomada de consciência, de que nós estamos todos (con-)centrados numa ideia de «escola», vista como uma espécie de fábrica de «futuros trabalhadores e cidadãos», coisa que correspondeu à era taylorista e fordista do século XX.

Porém, a escola como aparelho ideológico do Estado (sem dúvida permanece assim, mesmo em escolas privadas ou cooperativas) é uma realidade que esmaga o indivíduo, que o marca a ferrete como sendo «escolarizado» (ou não), «detentor de diplomas» (ou não), ou seja como explorável, como «útil-utensílio» na forma última de alienação no trabalho e pelo trabalho. A questão do trabalho mercadoria, não poderia ficar assim «limitada» ao que se passa no local de trabalho: Como Marx viu e muito bem, a alienação do trabalhador implica que este esteja completamente destituído de poder, escravo à mercê de uma máquina impiedosa que se destina a «fabricar» lucro somente.

O homem…

Ver o post original 304 mais palavras

Adaptação e pobreza rural em África: o caso de Moçambique

Blogue ATS

PorCarla Gomes

“Agora é que vimos que trabalhar na margem do rio fica feio”. O desabafo vem de um jovem camponês que entrevistei em 2015 nas margens do Lúrio, um dos grandes rios de Moçambique. As cheias desse ano engoliram impiedosamente as machambas (terrenos de cultivo) que as populações da aldeia tão laboriosamente tinham cultivado, pondo em risco toda a época de colheitas e precipitando uma crise alimentar. Mais uma.

No período que passei no Norte do país, em trabalho de campo, as chuvas foram de tal modo intensas que o governo declarou o estado de emergência. De acordo com o Ministério da Agricultura, mais de 100 mil hectares terão sido afetados. Seguiu-se, em 2016, o ‘alerta vermelho’ devido à seca extrema (Centro e Sul), alimentando uma ‘bola de neve’ de prejuízos de que as populações rurais dificilmente chegam a recuperar.

Ver o post original 1.136 mais palavras