Bancos acima das nossas possibilidades

Raquel Varela

A boa nova que antecedeu a crise na forma de um incentivo desmesurado ao consumo de casa própria, elevando os seus preços para patamares irrealistas (ainda nos lembramos do tempo, como referiu Pedro Bingre do Amaral, em que uma casa custava o mesmo de um carro — nos sorteios de TV ganhava-se um ou outro), fora promovida diariamente nas televisões por políticos, comentadores e afins. Os incentivos fiscais ao abate para a compra de carros novos. Os estrangulamentos salariais substituídos por crédito fácil e barato. Todos eram afinal culpados pelo estado das contas públicas. As privatizações que delapidaram o património público, os benefícios fiscais às empresas, as PPP com as suas rendas fixas que garantiam uma correia de transmissão privilegiada do património público para alguns privados, a abstenção do Estado em taxar as mais-valias dos promotores imobiliários que, num passe de mágica e com uma ajudinha do poder local, ao…

Ver o post original 434 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s