How does psychodrama work?

How theory is embedded in the psychodramatic method?

de José Luís Pio de Abreu e Cristina Villares de Oliveira.

Publicado em Psychodrma, Advances in Theory and Practice, Edited by Clark Baim, Jorge Burmeister, Manuela Maciel, Foreword by Zerka Moreno and Grete Leutz, chapter 9, pp 127-137

Como é que a teoria usa o método psicodrmático. Moreno sempre recusou a formação dum corpo teórico. Esta recusa da incorporação teórica leva a que a teoria psicodramática se apresente de forma complexa.

Os elementos chave do psicodrama são consistentes como campo de aplicação das psicoterapias. Há uma separação entre o grupo e dramatização do contexto. Também os instrumentos (diretor, protagonista, egos-auxiliares, audiência e o palco. A evolução da sessão do psicodrama é também consistente. Aquecimentos geral, específico, dramatização. A procura da espontaneidade. Com o fim da dramatização abre-se espaço para a palavra.

As questões criticas do processo é então a dramatização e a aplicação de técnicas específicas por decisão do director. No desenvolvimento da teoria Moreno marcou quatro conceitos. Papel, espontaneidade, tele e actin-out (exteriorizar). O modelo apresenta o sofrimento, como algo que bloqueia a espontaneidade e a reacção de integração (a catarse de integração). E a partir disso que se gera a transformação da personalidade.

Se há mudança é porque funciona. Porque é que funciona?

A Matriz de identidade definida por Moreno é a ideia de desenvolvimento de personalidade Prmeiro Universo (id indiferenciada, id diferenciada) Segundo Universo, Ruptura (fatasia/realidade). As técnicas psicodrmáticas do (duplo, espelho e a inversão dos papeis,) relacionam-se com estes três estádios. As crianças usam nas suas brincadeiras, de forma espontânea. As actividades das crianças são essenciais para o seu desenvolvimento cognitivo. Os jogos tem uma certa sequência.

Duplo. É um faz de conta. Algo que assume a identidade do protagonista e que desenvolve atividades que ele não é capaz de fazer. Os papei do pais. Interção entre a mãe e o filho.

Interpolação de resistência. O director pede a um ego que age de modo diferente do que o protagonista está à espera.  A interpolação da resistência é uma função da realidade. A realidade sem confrontar com os outros e uma eterna repetição. O confronto é o que produz conhecimento da situação. O que faz o conhecimento crescer.

O Role Playing e as Esculturas, outras duas técnicas utilizadas, aplicam-se na busca de novas formas de ser, de estar e de fazer. São representações de actividades cognitivas básicas. São também a base da acção. São actividades semelhantes. O role playng, jogado desde cedo pela crianças tem como objetivo testar atividades, formas de estar, papeis. São formas de expressar emoções e desenvolver processos cognitivos e reconhecer os desejos do outro (as suas crenças e desejos). Através da escultura o protagonista representa alguma coisa problemática para ele.

O jogo de espelho. O espelho é usado como uma ferramenta para o auto-reconhecimento nas crianças a partir dos 3 anos de idade. No psocodrama é usad quando se quer que o protagonista se observe a si mesmo. Tem também como objetivo levar a que o protagonista se aceite como é.

A Representação simbólica é descrita por moreno e constitui uma metáfora. A utilização de objetos para representação de significados. Através dos objetos colocados pelo protagonista é possível observar a sua organização do mundo. Os valors, as regras os interditos, as crenças (hierarquia de valores, a adesão aos valores implica uma contextualização do pensamento, no espaço e no tempo). A experiencia do indivíduo ajusta o processo de pensamento às combinações dos papeis.

O instrumento da representação simbólica é uma ferramenta poderosa na reconstrução da criatividade, na imaginação e na construção da autonomia.

No solilóquio, no falar alto o protagonista tem oportunidade de se ouvir a si mesmo. A verbalização do pensamento é também um instrumento de conhecimento e de definição da trajectória individual. As crianças praticam o solilóquio de forma espontânea.

A inversão de papeis. É uma técnica central do psicodrama, permite o reconhecimento do outro. a espontaneidade da criação do papel do outro permite incorporar o outro e ajustar os suas vários comportamentos. É um exercício complexo e delicado. O protagonista tem todas as possibilidades de reconstruir o eu, mas tem que ter vontade de o fazer.

A filosofia do encontro

A teoria da matriz da identidade do moreno pode parecer complexa. Ela tem por base que o individuo (na sua relação com o seu corpo) e nas suas relações com o mundo se baseiem em fluxos de energia. A matriz é a fonte, que se concretiza nu Locus. Para que produza energia é necessário um “stato nascendi. Qualquer coisa que processe a energia de forma dinâmica.

Na teoria de Moreno o Status Nascendi e o aquecimento são o que produzem energia dinâmica. Essa energia é captada (constitui a espontaneidade). Para moreno a espontaneidade é o motor do comportamento. Ela manifesta-se através das emoções. Os sentimentos expressam valores (sentimentos que os seres biológicos sentem por viver situações reais ou imaginárias. As expressões dos sentimentos são Medo/Alegria, amor/ódio)

No psicodrama representa-se a relação romordial (Matriz-protagonistas, Locus. Cenário,  o Status Nacendi –Aquecimento) O papel do diretor é ajudar o protagonista a encontrar o locus apropriado.

A base do psicodrama concretiza-se na filosofia do encontro. O encontro abre para todas as complexidades das relações humanas. No encontro o protagonista sente e incorpora algo de significante que poderá ser enriquecido em novos encontros.

A teoria da Tele, como relação entre papeis (entre unidades de comportemento e sentimento). O psicodrama trabalha sobre a relação entre informações. O modo como se incorpora o outro. “Olhar o outro com os olhos dele”.

Trabalho com a linguagem corporal. O encontro permite promover a vida. Permite a comunicação entre pessoas. Permite a expressão de emoções. Permite aproximar ou afastar. Para além da linguagem verbal, as linguagens corporais são canis por onde se estabelecem os afectos.

O fator de grupo. O psicodrama é um processo de grupo. É uma terapia individual em grupo. É um processo onde a relação é um meio de mudança e a voz o processo de reconhecimento dessa mudança.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s